quinta-feira, 27 de outubro de 2011

EMAGRECIMENTO – DIA NACIONAL DE CONTROLE À OBESIDADE!

Hoje é dia 27 de outubro, um dia que merece toda nossa atenção, pois é o DIA NACIONAL DE CONTROLE À OBESIDADE.

A obesidade não é um problema ligado a estética, é um problema ligado a saúde!
  
Sabemos que as pessoas obesas sofrem com grandes dores por “sobrecarregarem” sua coluna, sem falar que acabam tendo uma diminuição em seus movimentos, que lhes pode causar uma contaminação por fungos e outras infecções de pele em suas dobrinhas de gordura.
   
Elas também apresentam uma maior probabilidade, em sofrerem com algumas doenças e distúrbios como Hipertensão Arterial (pressão alta), Doenças Cardiovasculares, Diabetes Mellitus tipo II, Osteoartrite, Diminuição do Colesterol Bom, Apnéia do Sono, Colelitíase, entre outras.
    
Estudos feitos por pesquisadores do Diabetes and Obesity Center (Universidade de Washington), também constataram que uma dieta rica em “gordura” pode lesar os neurônios.
    
Depois de lermos tudo isso, acho realmente muito triste pensar que os Hospitais dos EUA, estão tendo que adaptar seus veículos de resgate para transportar pacientes com mais de “200 quilos”.
    
Em vez de tentar corrigir os problemas, que tal investirmos, para evitá-los?? O pior ainda, é saber que uma rede chamada Cold Stone, criou um Milk-shake com 2010 calorias... Em um país como os Estados Unidos, em que 34% da população é obesa, essa criação é mais do que uma “ignorância”!
Abaixo, algumas dicas.
    
- Procure saber a longo prazo, todos os PERIGOS que você corre mantendo-se sedentário e comendo alimentos gordurosos.


- Saboreie os alimentos, ou seja, DEMORE para comê-los! Se preciso for, marque o tempo que leva em cada refeição e tente cada vez mais, aumentá-lo.

- Se você sentir vontade de repetir um prato de comida, beba um copo de água e espere cerca de 4 a 5 minutos.

- Troque as grandes refeições, por pequenas refeições de 3 em 3 horas.

- Prefira comer em pratos de sobremesa ou pratos rasos.

- Tenha sempre um plano A, um B e um C. Assim, se o seu plano principal não lhe causar o resultado esperado, você terá outras saídas.

- Tenha metas desafiadoras e possíveis. Se necessário, divida-as em partes. Não inicie um processo imaginando eliminar 100 quilos... comece com 10 (meta a curto prazo) até chegar no seu desejado 100 quilos (meta a longo prazo).
- Comemore (não com comida) todos os seus sucessos!

- Se a sua mãe, tia, ou alguém da família, alguma vez lhe disse que deixar comida no prato é “pecado”, lembre-se que deixando ou não comida no prato, milhares de pessoas, infelizmente continuarão morrendo de fome... e que PECADO é colocar “para dentro do nosso corpo” uma alimentação, quando já estamos satisfeitos! (Essa é uma crença muito poderosa... tomem cuidado com ela).

- Vista-se bem, arrume seu cabelo, use maquiagem e acessórios. Quem disse que estar acima do peso tem que ser sinônimo de desleixo? Olhem essa mulher ao lado que linda!!! Ela está simplesmente MARAVILHOSA, mesmo sem ter o corpinho da Bündchen! (Paula Bastos, Jornalista - foto publicada na revista Gloss)

- E o principal: “Cuide do seu ESTADO EMOCIONAL”!

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

O BRINCAR

"Diversos estudos apoiam a convicção de Stuart Brown (Psiquiatra e fundador do Instituto Nacional da Brincadeira, em Carmel Valley, na Califórnia) de que crianças privadas de brincadeiras têm o desenvolvimento social, emocional e cognitivo prejudicado em algum grau."
"Psiquiatras e psicólogos se preocupam que tal limitação possa resultar em uma geração de adultos excessivamente ansiosos, infelizes e socialmente mal ajustados."

 Se pensarmos que o mal do século é o estresse e que na maioria das vezes, ele nos leva à depressão... o texto acima, faz total sentido, não faz?
Isso me leva a pensar em duas coisas:
    
- Primeira: Quanto tempo estamos permitindo que nossas crianças brinquem?

É muito óbvio que as brincadeiras hoje em dia, não sejam as mesmas de antigamente.
Isso se deve a violência, que obriga os pais a deixarem as crianças dentro de casa; a "evolução" dos tempos, que trouxe espaços residenciais menores; joguinhos no computador que "dispensam" a presença de um companheirinho para a interação; e principalmente, porque muitos pais já começam a preparar seus filhos para o mercado de trabalho... mesmo estes filhos estando ainda no jardim de infância.

Pode parecer absurdo para algumas pessoas, mas é muito natural para vários pais, que suas crianças com apenas 5 anos de idade, já tenham uma agenda com inúmeros compromissos. Segundo eles, estão apenas "pensando no melhor para seus filhos e no futuro, pois um dia, eles  terão que disputar um mercado de trabalho extremamente competitivo".
Tenho a acrescentar só uma parte final nesta frase... eles realmente enfrentarão um mercado de trabalho competitivo, mas isso somente ocorrerá, se eles sobreviverem...

Hoje em dia, vejo crianças com a agenda mais cheia do que a minha!! (e olha que isso não é fácil, rs). Elas têm hora para levantar, ir à escola, ir ao curso de idiomas, natação, balé, aulas de etiqueta, xadrez, curso de modelo, tem criança que vai até na manicure... (Meu Deus!), tem a hora do banho, da lição de casa, do jantar, e finalmente o horário de dormir... Elas foram praticamente transformadas em "mini-adultos", que praticam uma "série" de atividades por obrigação e não por prazer.

Claro que eles têm que ter atividades, horários, e regras... mas não podemos nos esquecer de que são "apenas crianças"!


Segundo ponto a se pensar: Nas mãos de quem estamos colocando a educação de nossos filhos? 

Se queremos que sejam futuros adultos carinhosos, compreensivos, e cheios de qualidades (nos nossos sonhos eles são sempre perfeitos) temos que dar esse exemplo para eles, certo?
Chega a ser cômico a mãe que fica horas conversando com o filho, dizendo que ele deve contar tudo o que faz para ela e para o "papai" e na hora que o marido chega em casa, ela pede para criança não contar algo que ela fez...
Quantas vezes nossas atitudes são exatamente o oposto do que falamos?
Vocês sinceramente acham que as crianças vão se basear no que falamos ou no que fazemos?

Muitos pais também acham que a função da "educação" é obrigação da escola e do professor... 
Pobres professores!!! Muitos nem quiseram ter filhos e vão ter que educar o filho alheio?
Sinto muito em decepcioná-los, mas o professor não ganha para isso, educação deve vir de "berço", ou seja, de casa, desde o momento que a criança nasce.
O professor vai apenas complementar o bom exemplo que já deve ter sido iniciado em casa...

Resumindo...
"Dar bons exemplos" e "brincar", ajudam no desenvolvimento intelectual, na criatividade, no desenvolvimento motor, na sociabilização, no desenvolvimento emocional e até a formar traços de personalidade nas nossas crianças.
 
E uma notícia muito boa! Segundo Mac Bekoff (Biólogo Evolucionário da Universidade do Colorado - Boulder - USA) estabelecer um espaço em nossa agenda para praticar o "brincar" também nos ajuda com o nosso desenvolvimento cerebral e psíquico (na saúde mental e física) reduzindo efeito do estresse e riscos de adoecimento.

Surpreenda seus colegas de trabalho, de curso, de escola, sua família, o mundo, com um convite para passar uma tarde brincando.

Mudar hábitos, pode ser mais interessante do que você imagina.

UM FELIZ DIA DAS CRIANÇAS PARA TODOS!!


sexta-feira, 7 de outubro de 2011

EMAGRECIMENTO


Já faz algum tempo que quero falar sobre esse assunto, que além de importante é interesse de 9 pessoas, em cada 10 que converso: Emagrecimento.

 Vou tentar citar de maneira resumida, alguns pontos que já discuti com alguns clientes, que não entendiam porque não emagreciam, e que realmente gostaria que vocês levassem em consideração. 

 Se todos nós sabemos que:
  - “A diminuição na quantidade de alimentos + Refeições de 3h em 3h + Comidinha Saudável (e todos nós sabemos o que é saudável e o que não é) + Exercícios Físicos + A troca de alimentos fritos por assados”, além de fazerem bem a saúde, fazem com que “iniciemos” o processo de eliminação daqueles quilinhos desagradáveis... então, por que alguns conseguem fazer essa fórmula funcionar, e outros não?

 Recortei esta parte abaixo em itálico, de uma matéria que saiu na revista Mente e Cérebro de julho de 2011, com título “O PESO DA PERSONALIDADE NO SUCESSO DA DIETA”, que fala sobre fatores emocionais e fatores da personalidade, auxiliando ou prejudicando em uma dieta. 

“Obviamente a personalidade não age sozinha, é mais um moderador da motivação pessoal e das atitudes em relação ao que se come, a quanto se ingere e à quantidade de exercícios”.
Devido a isto, o acompanhamento psicológico pode ser um diferencial importante quando há o objetivo de eliminar peso e mais ainda quando já houver tentativas fracassadas de obter esse resultado”.
Conhecer as formas como nos defendemos do que nos incomoda, bem como nossos medos e desejos, muitas vezes pode ser tão útil, quanto controlar as calorias de cada alimento ingerido.” 
Pessoas que costumam se sentir injustiçadas (por razões concretas ou não) podem comer em excesso como uma maneira inconsciente de autocompensação.” 


Alguma vez você já pensou em comer “um docinho” depois de uma manhã difícil com seu chefe ou com alguém do seu serviço? Ou só um “pedacinho de picanha” depois de ter passado pelo início da “3ª Guerra Mundial” com seus filhos ou com seu marido/esposa? Ou pensou em comer uma feijoadinha LIGHT (claroooo) depois de se chatear por algum motivo? Ou a melhor de todas... “Você já falou: Final de semana... PODE!!”

Pois é... tenho 2 notícias para você... Uma boa e outra nem tanto. A notícia  triste, é que motivos para nos chatear, não vão deixar de existir. Compensá-los através da comida, é UMA das escolhas (ERRADAS) que você pode fazer! Será que vale a pena esta escolha, que representa um prazer momentâneo, mas que vai lhe causar um sofrimento duradouro que vai se estender ao longo do tempo? Quero deixar claro, que não estamos falando apenas de estética, estamos falando principalmente de "saúde".


A compensação através da comida é mais comum do que as pessoas imaginam, e a notícia boa, é que a partir do momento em que percebemos que fazemos isso, torna-se muito mais fácil o controle. Claro que contar com a ajuda de um profissional que fortaleça a auto-estima e ajude a verificar os pontos obscuros, é um diferencial que conta e muito, pois embora a maioria das pessoas ainda achem ou "prefiram achar" que somente os fatores genéticos e a "falta de sorte" nos fazem engordar; os fatores emocionais podem ser  os grandes vilões nesta história. 

Se você está tentando uma dieta, então avalie se você realmente nota tudo o que come. Por incrível que possa parecer, várias pessoas comem as coisas sem perceber que estão comendo. Tive um exemplo destes em minha família, e pude acompanhar muito perto todo o processo. A dica que  dou, é para anotar tudo o que você come, inclusive aquelas balinhas "indefesas". De repente você pode descobrir que come um pouquinho mais do que imagina, ahh, aproveita e faça as contas da quantidade de calorias  que você está ingerindo, você pode ter uma surpresa no final. 

Mais um ponto a se pensar é que remédios milagrosos DEFINITIVAMENTE NÃO existem... e REMÉDIO deve ser prescrito por um MÉDICO não pelo seu colega de trabalho, amigo, ou porteiro do prédio... É a sua saúde que está em jogo e ela merece no MÍNIMO, SUA ATENÇÃO! Quantas vezes você já presenciou uma pessoa tomar remédio, realmente emagrecer, mas depois engordar o dobro? Se a gente JÁ sabe que isso acontece, então por que faz?

Outro ponto que avalio com meus clientes é que emagrecimento, assim como a compra de um apartamento, ou a visita a um lugar desconhecido, merece um planejamento. Quando você vai a algum lugar desconhecido, você pega o primeiro ônibus, metro, entra no carro e pega a primeira rua a sua frente ou você se planeja para chegar a esse lugar? Você compra um apartamento, um carro da noite para o dia? Então por que pensa em emagrecer do dia para noite e sem planejar os passos que vai ter que dar?

 Uma última observação e essa direcionada para as pessoas que falam mas não agem... Ouço muitas pessoas me dizendo "tenho inveja de você ou queria ser magrinha como você"... Só que NENHUMA destas pessoas comem o que eu como. Ninguém observa meu prato de salada, os legumes, a quantidade e muito menos a qualidade das minhas refeições...
 A grama do vizinho é tão mais verde não é?? Talvez seja a hora de pensar no que o vizinho faz para deixá-la assim...

Ninguém é magro por vontade divina. Observe qual a importância você tem dado para o que entra em seu prato e como anda seu estado emocional. Lembre-se: SAÚDE física e mental  em primeiro lugar, pois o resultado será apenas a conseqüência de suas escolhas.