sexta-feira, 7 de outubro de 2011

EMAGRECIMENTO


Já faz algum tempo que quero falar sobre esse assunto, que além de importante é interesse de 9 pessoas, em cada 10 que converso: Emagrecimento.

 Vou tentar citar de maneira resumida, alguns pontos que já discuti com alguns clientes, que não entendiam porque não emagreciam, e que realmente gostaria que vocês levassem em consideração. 

 Se todos nós sabemos que:
  - “A diminuição na quantidade de alimentos + Refeições de 3h em 3h + Comidinha Saudável (e todos nós sabemos o que é saudável e o que não é) + Exercícios Físicos + A troca de alimentos fritos por assados”, além de fazerem bem a saúde, fazem com que “iniciemos” o processo de eliminação daqueles quilinhos desagradáveis... então, por que alguns conseguem fazer essa fórmula funcionar, e outros não?

 Recortei esta parte abaixo em itálico, de uma matéria que saiu na revista Mente e Cérebro de julho de 2011, com título “O PESO DA PERSONALIDADE NO SUCESSO DA DIETA”, que fala sobre fatores emocionais e fatores da personalidade, auxiliando ou prejudicando em uma dieta. 

“Obviamente a personalidade não age sozinha, é mais um moderador da motivação pessoal e das atitudes em relação ao que se come, a quanto se ingere e à quantidade de exercícios”.
Devido a isto, o acompanhamento psicológico pode ser um diferencial importante quando há o objetivo de eliminar peso e mais ainda quando já houver tentativas fracassadas de obter esse resultado”.
Conhecer as formas como nos defendemos do que nos incomoda, bem como nossos medos e desejos, muitas vezes pode ser tão útil, quanto controlar as calorias de cada alimento ingerido.” 
Pessoas que costumam se sentir injustiçadas (por razões concretas ou não) podem comer em excesso como uma maneira inconsciente de autocompensação.” 


Alguma vez você já pensou em comer “um docinho” depois de uma manhã difícil com seu chefe ou com alguém do seu serviço? Ou só um “pedacinho de picanha” depois de ter passado pelo início da “3ª Guerra Mundial” com seus filhos ou com seu marido/esposa? Ou pensou em comer uma feijoadinha LIGHT (claroooo) depois de se chatear por algum motivo? Ou a melhor de todas... “Você já falou: Final de semana... PODE!!”

Pois é... tenho 2 notícias para você... Uma boa e outra nem tanto. A notícia  triste, é que motivos para nos chatear, não vão deixar de existir. Compensá-los através da comida, é UMA das escolhas (ERRADAS) que você pode fazer! Será que vale a pena esta escolha, que representa um prazer momentâneo, mas que vai lhe causar um sofrimento duradouro que vai se estender ao longo do tempo? Quero deixar claro, que não estamos falando apenas de estética, estamos falando principalmente de "saúde".


A compensação através da comida é mais comum do que as pessoas imaginam, e a notícia boa, é que a partir do momento em que percebemos que fazemos isso, torna-se muito mais fácil o controle. Claro que contar com a ajuda de um profissional que fortaleça a auto-estima e ajude a verificar os pontos obscuros, é um diferencial que conta e muito, pois embora a maioria das pessoas ainda achem ou "prefiram achar" que somente os fatores genéticos e a "falta de sorte" nos fazem engordar; os fatores emocionais podem ser  os grandes vilões nesta história. 

Se você está tentando uma dieta, então avalie se você realmente nota tudo o que come. Por incrível que possa parecer, várias pessoas comem as coisas sem perceber que estão comendo. Tive um exemplo destes em minha família, e pude acompanhar muito perto todo o processo. A dica que  dou, é para anotar tudo o que você come, inclusive aquelas balinhas "indefesas". De repente você pode descobrir que come um pouquinho mais do que imagina, ahh, aproveita e faça as contas da quantidade de calorias  que você está ingerindo, você pode ter uma surpresa no final. 

Mais um ponto a se pensar é que remédios milagrosos DEFINITIVAMENTE NÃO existem... e REMÉDIO deve ser prescrito por um MÉDICO não pelo seu colega de trabalho, amigo, ou porteiro do prédio... É a sua saúde que está em jogo e ela merece no MÍNIMO, SUA ATENÇÃO! Quantas vezes você já presenciou uma pessoa tomar remédio, realmente emagrecer, mas depois engordar o dobro? Se a gente JÁ sabe que isso acontece, então por que faz?

Outro ponto que avalio com meus clientes é que emagrecimento, assim como a compra de um apartamento, ou a visita a um lugar desconhecido, merece um planejamento. Quando você vai a algum lugar desconhecido, você pega o primeiro ônibus, metro, entra no carro e pega a primeira rua a sua frente ou você se planeja para chegar a esse lugar? Você compra um apartamento, um carro da noite para o dia? Então por que pensa em emagrecer do dia para noite e sem planejar os passos que vai ter que dar?

 Uma última observação e essa direcionada para as pessoas que falam mas não agem... Ouço muitas pessoas me dizendo "tenho inveja de você ou queria ser magrinha como você"... Só que NENHUMA destas pessoas comem o que eu como. Ninguém observa meu prato de salada, os legumes, a quantidade e muito menos a qualidade das minhas refeições...
 A grama do vizinho é tão mais verde não é?? Talvez seja a hora de pensar no que o vizinho faz para deixá-la assim...

Ninguém é magro por vontade divina. Observe qual a importância você tem dado para o que entra em seu prato e como anda seu estado emocional. Lembre-se: SAÚDE física e mental  em primeiro lugar, pois o resultado será apenas a conseqüência de suas escolhas.