sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Livro: A menina do Vale - Bel Pesce

Como já comentei em uma postagem anterior,  ganhei esse adorável livro "A menina do Vale - Bel Pesce", e hoje resolvi fazer um comentário a respeito dele.
 
Embora seu foco seja empreendedorismo, me arrisco a dizer que por trás das palavras da Bel, existem muito mais lições do que se possa imaginar... é o empreendedorismo da vida!
 
Tem um capítulo, em especial, que amei... É o capítulo 19 - "O maior de todos os erros".
Transcrevo abaixo, algumas partes:

"O potencial humano é absolutamente incrível. Com paixão, determinação e iniciativa, é possível fazer qualquer sonho acontecer."
 
 
"Ao longo da minha jornada, ouvi centenas de pessoas me dizerem para desistir de vários objetivos. Se eu tivesse seguido suas palavras, teria perdido as melhores oportunidades da minha vida."
 
 
"Eu tenho uma regra simples: contanto que eu tenha tentado o meu melhor; não me arrependo se algo não dá certo."
 
"Digamos que será organizada uma competição de planos de negócios e você realmente quer ganhar o prêmio de melhor empresa. O pior que pode acontecer é não participar. Nesse caso, seguramente você não terá chances de sagrar-se campeão. 
Outra possibilidade é competir, mas sem a dedicação necessária e fazendo tudo de qualquer jeito. É uma pena. Você deve sempre se esforçar para fazer o melhor.
Agora, digamos que você tentou ser o melhor e aprendeu muito ao longo da competição. Para mim, independentemente do resultado, você é um vencedor."
 
 
Ela deixa claro em várias passagens, que acredita sim na realização de sonhos, mas em momento algum, ela cita que isso pode acontecer por "pura magia". Ressalta que embora todos tenhamos capacidades para realizá-los, é necessário iniciativa, determinação, coragem, comprometimento, ou seja, é necessário  mexer-se e correr atrás do que  se deseja.
 
E o que mais gosto neste capítulo,  e concordo plenamente, é da "regra simples": Se você quer algo, faça o seu melhor para conseguir.
 
Se o seu melhor não foi o suficiente, sinta-se com a  consciência leve, pois você tentou e fez o que pôde.
Quando fazemos o melhor, a vitória já é nossa. Podemos não levar o prêmio, mas teremos conosco  a vitória da aprendizagem,  a vitória de ultrapassar os próprios limites, a vitória da entrega, e a principal,  a vitória da evolução! 
 
Não deixe as suas vitórias (mesmo que você não leve o prêmio) passarem em branco. Comemore-as SEMPRE, pois você, mais do que ninguém, sabe o quanto merece e o quanto lutou!!
 
 
 

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Autoestima

Revisando uma apostila de um curso que fiz há alguns anos atrás, encontrei esse texto maravilhoso e que vale a pena ser lido muitas e muitas vezes.



 Uma Lenda...

 
Numa época bem distante, todos os homens da Terra eram deuses e tinham poderes.

Mas os homens pecaram e abusaram tanto destes poderes, que o Senhor, o deus de todos os deuses, decidiu que todos os poderes seriam retirados dos homens e escondidos num lugar onde jamais fossem encontrados.


Um dos deuses disse: "Então vamos enterrá-los profundamente na terra”.
E o Senhor disse: “O homem pode escavar a terra e encontrá-los”.
 
Outro deus disse: “Então vamos jogá-los no oceano mais profundo”.
E o Senhor não concordou: “Não, o homem aprenderá a mergulhar e um dia vai encontrá-los.”


Um terceiro deus sugeriu: “Porque não escondê-los na montanha mais alta?”
O Senhor então disse: “Não, pois o homem poderá escalá-la...”
 
Tenho um lugar melhor. Vamos escondê-los no interior do próprio homem. Ele nunca vai pensar em procurá-los em si próprio”.
  

Um ótimo final de semana a todos!
 







 

 



terça-feira, 25 de junho de 2013

A menina do Vale - de Bel Pesce

Ganhei de uma amiga muito especial o livro: "A menina do Vale - Como o empreendedorismo pode mudar sua vida", da autora Bel Pesce.
Após uma leitura muitíssimo agradável, fiquei curiosa para saber um pouco mais sobre autora, e fui dar uma "olhadinha" na história de vida dessa "menina-mulher".
 Vi apenas "um" vídeo em que ela vai ao Colégio Etapa, e conta parte de sua trajetória. E apenas esse vídeo, foi suficiente para entender porque ela está fazendo tanto sucesso.
 
Em primeiro lugar, ela realmente acredita que os sonhos podem se transformar em realidade, e em vez de ficar parada esperando que a realização caia "do céu", ela corre atrás do que quer, com dedicação e sabedoria.
 
Em segundo lugar, ela tem autoestima, ou seja, ela sabe que ela tem defeitos (assim como todos nós temos), mas ela prefere olhar e valorizar as suas qualidades, algo que não temos feito... aliás, se temos um grande inimigo para nos criticar, esse inimigo está dentro de nós! Ninguém sabe nos ferir "tão bem", quanto nós mesmos. 

Em terceiro lugar, o seu pensamento positivo e confiança (algo difícil de encontrar nas pessoas hoje em dia)  é responsável por fazer com que ela siga em frente vendo possibilidades e não derrotas!!
Se alguém vê impossibilidades no caminho, ela segue vendo chances e aprendizagens... e o melhor de tudo, ela não se deixar abater pela opinião alheia, pois ela confia no que pode fazer.

Em quarto lugar, e para mim o mais importante, ela é super humilde!  Ela não tem medo de assumir que não sabe, não tem medo de não ser "perfeita", e não procura ser o "modelo ideal" de pessoa. As qualidades que ela tem (e ela sabe que tem) não a transformaram em um modelo de arrogância. Essas qualidades, foram utilizadas (e muito bem utilizadas)  para que ela  transformasse sonhos em realidade.

Simples assim!

Existem vários vídeos dela no "Youtube", e imagino que valham a pena a visita... Segue o endereço do vídeo que vi, e me encantei!
http://www.youtube.com/watch?v=_dSoo7p8BfQ
 
 

domingo, 14 de abril de 2013

ESCOLHA PROFISSIONAL

A adolescência é um período de várias mudanças e justamente nesse período de transição o jovem terá que tomar a decisão da sua escolha profissional, algo que marcará sua vida futura.



Não é nada fácil se deparar com a escolha da profissão, ainda mais ao perceber que ela também representa a escolha por um estilo de vida, uma rotina e um ambiente no qual terá que conviver em seu futuro; ou seja, escolher uma carreira não significa apenas escolher o que se quer fazer, mas sim , o que se quer ser.

Esse é um tema que por mais que venha sendo comentado ao longo dos anos, ainda gera um grande nível de ansiedade, tanto para o adolescente, quanto para sua família, que participa de alguma maneira nessa decisão. 
É por isso que hoje, decidi falar um pouquinho mais sobre esse assunto.

 
A influência familiar

Quando um indivíduo nasce, ele já carrega uma série de expectativas de sua família. Todos já imaginam o que ele vai ser, e como vai ser. O indivíduo cresce ouvindo o que seus familiares consideram “bom” e “ruim”, e o que eles esperam em relação ao seu comportamento, atitude e escolhas.

Além de ser cercado por uma série de expectativas ele também e cercado por uma série de valores familiares, os quais ele só poderá considerar bons ou ruins, com a maturidade.

A escolha do adolescente pode estar baseada numa ideologia familiar, e segui-la pode resultar em um sentimento de “lealdade” a sua família; mas também pode estar baseada no confronto dessa ideologia, para mostrar sua rebeldia ou desaprovação com os seus.

Em ambos os casos, o indivíduo não estará sendo justo consigo mesmo, pois não estará valorizando os seus desejos e sim desejos alheios ou utilizará sua atitude para ferir e mostrar que discorda da opinião familiar.

Muitas vezes, com o intuito de auxiliar, os pais constroem projetos que refletem seus desejos (realizados ou não), e acabam projetando suas frustrações ou realizações em seus filhos.

A ansiedade dos pais também contribui para o aumento da ansiedade dos filhos, por isso durante um processo de orientação vocacional, muitas vezes, é indicada a participação dos pais para melhor compreensão e auxílio, desse processo que faz parte da vida de todo jovem. A ausência familiar durante esse processo, pode representar para o jovem, certo desamparo e reforçar a insegurança, que é normal nessa tomada de decisão.

 
Orientação Profissional

                O objetivo da orientação profissional é auxiliar o jovem, proporcionado um momento de reflexão sobre o que está por trás de sua escolha e das suas indecisões.

Ajudá-lo a reconhecer as influências familiares, escolares, do meio social e econômico, religiosas e de questões psicológicas, tornará o processo muito mais claro.

A exploração deste contexto com o trabalho em parceria (orientador -  adolescente), irá gerar o esclarecimento, que trará a diminuição da ansiedade e maior segurança na tomada de decisão.

 
O trabalho do orientador

O objetivo do orientador é entender os valores que cercam esse jovem; ou seja, que tipo de vida ele pretende ter e o que é importante para ele. Não adianta o jovem correr atrás de uma profissão que vá mantê-lo preso a uma rotina dentro de um escritório, se o que ele mais valoriza na vida, é o contato com o público ao ar livre.

Outro ponto que deve ser levado em consideração, é sua visão a respeito do mundo e de si próprio.

Outro ponto fundamental é o confronto das informações que esse jovem apresenta das profissões, com a realidade destas. Muitas vezes, as fantasias desse jovem tem um peso superior, porém fictício, e a realidade se mostra bem diferente.
 

Exercícios Propostos

Para essa orientação, vários tipos de exercícios são propostos pelo orientador, mas somente serão colocados em prática, com a aceitação do indivíduo, que deve ver sentido nas atividades.

O jovem poderá ter que frequentar palestras, fazer visitas a empresas, entrevistas com profissionais que escolheram o que ele almeja; como também poderá ser proposto, que ele realize um estudo de mercado em relação ao salário mínimo, médio e máximo do profissional, para ver se está dentro da suas expectativas futuras.

Terá que refletir sobre aonde deseja chegar com a profissão escolhida e para isso, qual o tipo de formação e quais as especializações ele terá que fazer. Quanto tempo ele terá que se dedicar aos estudos, e o que terá que abrir mão em busca da concretização de seus objetivos.

Terá que pensar no tempo que levará para sua formação e avaliar se o mercado estará aberto ao que ele terá a oferecer.

Deverá formar uma visão ampla do que quer e dos passos para conseguir atingir seu objetivo, mas isso será trabalhado em parceria com seu orientador e também com sua família.
 

Conclusão

Diferente de algumas posições dentro da psicologia, acredito como Erikson, que a construção do “Eu”, ou seja, a construção da personalidade do indivíduo, não apresente nunca um ponto final.

Para mim essa construção representa um desenvolvimento que vai ocorrendo ao longo de sua vida conforme suas aprendizagens, que representam a interação do indivíduo com o ambiente em que está inserido (Este conceito também é conhecido como “Life-span”).
    
Portanto, mesmo que sua decisão o leve para um caminho que ele se arrependa no futuro, sempre há, através do planejamento, uma maneira do indivíduo repensar no que é importante para ele naquele momento e tomar novos caminhos em busca da sua satisfação pessoal.